Meu filho nunca usaria drogas. Será?

Meu filho nunca usaria drogas

Cedo ou tarde, o adolescente vai se deparar com grupos “mais descolados”, nos quais rodam duas principais crenças perigosas: “para se divertir tem que ter gole” (tomar bebidas alcoólicas) e “fumar maconha não dá nada”.

Os problemas com as drogas começam quase sempre por aí.

Alguém poderia dizer “mas eu eduquei muito bem meu filho, ele não está sujeito a esse tipo de coisa.” Então coloque atenção em dois pontos: primeiro, é importante se preocupar com os filhos dos outros também, pois pode ser que no futuro sejam aqueles que poderão prejudicar seu filho. Segundo: a influência da opinião dos outros sobre nós, adultos, é muito maior do que pensamos, imagine sobre um adolescente, para quem ser aceito em um grupo é quase uma questão de vida ou morte. É praticamente irresistível.

Existe um experimento em Psicologia que deixa muito claro como nossas opiniões são moldadas pelo grupo em que estamos: Que resposta você daria para um problema simples, se estivesse em um ambiente desconhecido onde todos os outros estão dando a resposta errada? E que resposta seu filho daria para as drogas quando todos ao seu redor dizem “sim”?

Confira o vídeo deste experimento aqui (tem legenda se clicar no “cc” na parte inferior direita do vídeo):

Portanto, podemos dizer que a “empresa do tráfico” é muito bem sucedida em sua estratégia de marketing, pois consegue utilizar da influência do grupo para crescer e aumentar sua carteira de clientes, sem contar os apelos feitos pela mídia e pelos próprios fornecedores da droga, que atingem na mosca as necessidades do jovem na fase em que se encontra.

Assim, nós, despreocupados, acreditamos que, ensinando ao jovem o que é certo e errado, bom e mau, vamos exercer mais influência sobre ele do que a opinião de um grupo de amigos ou do que a promessa de ter atendidas as necessidades mais prementes da idade dele.

Por isso, ao falar em prevenir o uso de drogas, poderíamos propor um objetivo um pouco mais profundo do que apenas informar os jovens: minar, desconstruir, quebrar o tipo de crença deles (e nosso) de que é preciso álcool para se divertir ou que maconha não dá nada.

Objetivo difícil de ser atingido, mas possível. Como?

Isso é assunto para outra longa conversa. Ou para uma sessão de brainstorming. Tem alguma ideia?

Continue Lendo

Comente